quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

ROUBALHEIRA

Há pouco mais de dois anos, na semana de 11 de Julho de 2008, foram observados os preços mais elevados da Gasolina 95, em Portugal: 1.525 euros/litro. Nessa altura, o preço do barril do petróleo atingiu o seu valor mais elevado, ultrapassando os 140 dólares. A um câmbio de 0.63 dólares/euro, o valor do barril era de cerca de 88.2 euros por barril.

Hoje, o preço do barril está próximo dos 95 dólares por barril. O câmbio está agora próximo dos 0.76 dólares/euro, o que significa um preço de cerca de 72.2 euros por barril. Ou seja, o barril de petróleo está quase 20% mais barato que no seu pico.

Porque está então a gasolina praticamente ao valor de Julho de 2008? Porque irá ultrapassar esse marco já no próximo fim de semana? Simplemente por causa da roubalheira, das taxas e taxinhas, a todos os níveis! E no caso do gasóleo, também por via da Religião Verde, que conforme o artigo anterior, "se prende com o fim da isenção fiscal parcial de imposto sobre produtos petrolíferos para o biocombustível incorporado no gasóleo rodoviário". Porque nesta terrinha continuamos a adorar esta Religião, e mesmo que o profeta-mor do Aquecimento Global, Al Gore, já tenha dito que os bio-combustíveis foram um erro (ele só admite, para já, os de primeira geração), o nosso desgoverno lá os impõe à mesma!

Por isso, atestem, paguem e não barafustem. Antes do fim do ano, claro!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O NATAL DAS SMS´S




Nesta era dos telemóveis, as pessoas preocupam-se com o envio de mensagens mais ou menos bem escritas ou bonitas, dando o seu dever para com os amigos, os clientes, os funcionários e outros, como cumprido!

Para mim, como católico e cristão que sou, o Natal representa a esperança de vida saudável, útil e de serviço aos meus pares!

Não foi, não é e não será minha practica, a utilização deste “paradigma” das mensagens de telemóvel e do consumismo exacerbado, a fim da cura das atitudes menos boas, que se andaram a praticar durante o resto do ano.

A Humanidade não terá qualquer futuro enquanto não for capaz de colocar na sua vida, o verdadeiro e real significado do Natal!

O Natal deve repercutir-se diáriamente e durante todo o ano da nossa vida e da nossa interacção com os outros.

Por isso,venho desejar a todos os meus amigos e leitores do blog, um Santo e Feliz Natal, bem como, um ano de 2011 em qua possa acontecer com cada um, Natal todos os dias.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

PROVÉRBIOS DA BLOGOSFERA

- O hábito faz o blogger.

- Link com link se paga.

- Quem bloga por gosto não cansa.

- Mais vale um post no blogue que dois no rascunho.

- Os posts não se medem aos palmos.

- Diz-me o teu blogroll, dir-te-ei quem és.

- Blogue que vai à frente alumia duas vezes.

- Mudam-se os tempos, mudam-se os templates.

- No melhor blogue cai a nódoa.

- Blogues não pagam dívidas

-Quem com posts mata, com spam nos comentários morre

-Em casa de blogger, jornal de papel

-Não há blogue sem blogger

-Nunca digas neste blogue não escreverei

-No blogar é que está o ganho

-Blogues, a ameaça que o poder amordaça.

-post a post enche o blog o papo

-Quem sai aos seus não posta genéricos

-Comentário mole em blog duro, tanto chateia até que lhe respondem

-Não deixes para amanhã o post a fazer já hoje

-Postar não é escrever, mas é meio caminho andado

-Post passados às vezes moem o juízo

-and so on, and so on


Alguém quer sugerir mais algum?

sábado, 11 de dezembro de 2010

GUERRA JUNQUEIRO escreveu em 1896

«Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.
Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provem que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas;

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar».

Guerra Junqueiro, “Pátria”, 1896.

Porventura, por «não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar», uns comiam o javali (citando Sextus) bem fresquinho e os outros tinham de se contentar com os restos já requentados.

domingo, 5 de dezembro de 2010

conselho útil

“Se comprares aquilo de que não careces, não tardarás a vender o que te é necessário.”
Benjamin Franklin

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

1º de Dezembro dia da Restauração da Independência.

Hino da Restauração

"Portugueses celebremos
O dia da Redenção
Em que valentes guerreiros
Nos deram livre a Nação.

A Fé dos Campos de Ourique
Coragem deu e valor
Aos famosos de Quarenta
Que lutaram com ardor.

P'rá frente! P'rá frente!
Repetir saberemos
As proezas portuguesas.
Ávante! Ávante!
É voz que soará triunfal!
Vá ávante mocidade de Portugal!"

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

BENEFICIOS FISCAIS

Numa época em que só se fala em “apertar o cinto”, tive acesso a esta carta escrita por um cidadão ao nosso Ministro das finanças, é verídica. Se todos tivéssemos a atitude deste homem, que não conheço, quem sabe se o nosso Portugal não melhorava, e os nossos governantes pensassem mais no povo que governam e que os elegeram. Passem a todos este acto de coragem.

«Exmo. Senhor Ministro das Finanças

Victor Lopes da Gama Cerqueira, cidadão eleitor e contribuinte deste País, com o número de B.I. 8388517, do Arquivo de identificação de Lisboa, contribuinte n.º152115870 vem por este meio junto de V. Exa. para lhe fazer uma proposta:
A minha Esposa, Maria Amélia Pereira Gonçalves Sampaio Cerqueira, vítima de CANCRO DE MAMA em 2008, foi operada em 6 Janeiro com a extracção radical da mesma.
Por esta ‘coisinha’ sem qualquer importância foi-lhe atribuída uma incapacidade de 80%, imagine, que deu origem a que a minha Esposa tenha usufruído de alguns benefícios fiscais.
Assim, e tendo em conta as suas orientações, nomeadamente para a CGA, que confirmam que para si o CANCRO é uma questão de só menos importância.
Considerando ainda, o facto de V. Ex.ª, coerentemente, querer que para o ano seja retirado os benefícios fiscais, a qualquer um que ganhe um pouco mais do que o salário mínimo, venho propor a V. Ex.ª o seguinte:
A devolução do CANCRO de MAMA da minha Mulher a V. Exa. que, com os meus cumprimentos, o dará à sua Esposa ou Filha.
Concomitantemente com esta oferta gostaria que aceitasse para a sua Esposa ou Filha ainda:
a) Os seis (6) tratamentos de quimioterapia.
b) Os vinte e oito (28) tratamentos de radioterapia.
c) A angústia e a ansiedade que nós sofremos antes, durante e depois.
d) Os exames semestrais (que desperdício Senhor Ministro, terá que orientar o seu colega da saúde para acabar com este escândalo).
e) A ansiedade com que são acompanhados estes exames.
e) A angústia em que vivemos permanentemente.

Em troca de V. Ex.ª ficar para si e para os seus com a doença da minha Esposa e os nossos sofrimentos eu DEVOLVEREI todos os benefícios fiscais de que a minha Esposa terá beneficiado, pedindo um empréstimo para o fazer.
Penso sinceramente que é uma proposta justa e com a qual, estou certo, a sua Esposa ou filha também estarão de acordo.
Grato pela atenção que possa dar a esta proposta, informo V. Exa. que darei conhecimento da mesma a Sua Ex.ª o Presidente da República, agradecendo fervorosamente o apoio que tem dispensado ao seu Governo e a medidas como esta e também o aumento de impostos aos reformados e outras…
Reservo-me ainda o direito (será que tenho direitos?) de divulgar esta carta como muito bem entender. E por isso peço a todos aqueles que receberem e lerem esta mensagem e se assim concordarem que enviem aos vossos amigos. Obrigado
Como V. Ex.ª não acreditará em Deus (por se considerar como tal…) e por isso dorme em paz, abraçando e beijando os seus, só lhe posso desejar que Deus lhe perdoe, porque eu não posso (jamais) perdoar-lhe.
Com os melhores cumprimentos,


Atentamente,
Victor Lopes da Gama Cerqueira.
CORDIALMENTE E A BEM DA NAÇÃO
Vale a pena partilhar..

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

...


Para os chineses, 2009 foi o ano do BOI e este ano é o do TIGRE. Felizes são eles que, a cada ano, trocam de animal. Nós estamos há 5 anos com o mesmo Jumento!!!...
comentário:
E se comprarem a dívida pública portuguesa entram no ano do Burro!


por maill

sábado, 23 de outubro de 2010

MOMENTO DE POESIA

Momento de poesia...
(por mail)

Socratíades

Aos grandes e aos varões sacrificados
Que nesta ocidental praia lusitana
Em tempos quase sempre conturbados
Ajudaram a que passasse a caravana
Contra traidores, gatunos e drogados,
Livrem-nos, por favor, deste sacana.
É o que ardentemente hoje vos peço
E, se o conseguirem, muito agradeço

Nos tempos em que Guterres governava
Vivia-se até melhor que hoje em dia.
E o Sócrates Pinto de Sousa militava
lá nas fileiras da Social-Democracia.
Desse Zé Ninguém não se espr’ava
O vil trafulha em que ele se transformaria.
E venho eu, Camões, da língua o Pai
Explicar-vos com “isto” por cá vai…

Estavas , jovem Zé, muito contente,
Com o teu Diploma já adquirido
Nessa tal Universidade Independente,
Com fraudes e artimanhas conseguido,
Assinando projectitos de outra gente
Pois que, para nada mais foste intruído.
Mas sendo um refinado vigarista,
Logo te inscreves no Partido Socialista.

Com muita lábia, peneiras, arrogância,
Depressa ousou chegar a Deputado,
E mesmo apesar de tanta ignorância
P’ra Secretário de Estado foi chamado.
E nas burlas, trafulhices e jactância,
Em que esteve nesses tempos embrulhado,
Terá sido nesse ambiente assaz sinistro
Que obteve competências p’ra Ministro.

E tu, sábio Cavaco, agora me ensina
Como posso tirar este gajo do poleiro
Pois não passa de uma ave de rapina
Mas já é segunda vez nosso Primeiro.
Mandai-o p’ra bem longe, África ou China
Já que o não podes mandar p'ró Limoeiro.
É que eu estive lá, e aquilo que acho
É que ele só sairá com um Grande Tacho!

Que seja pelos pecados deste Povo,
Teimoso no seu votar sempre às cegas,
P'ra depois implorar p'ra ter de novo
Alguém que seja outro João das Regras
Que o leve sem receios a votar
Num émulo do Oliveira Salazar!

CAPITALISMO E SOCIALISMO


Autoeuropa vai aumentar salários em 3,9%

Por seu lado, um governo socialista vai cortar os vencimentos, no mínimo, em 3,5%.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010


A Câmara Municipal de Mangualde o Rodas no Trilho – Clube de Praticantes de Todo-o-Terreno (TT) de Mangualde e o Dá Gás Clube de Mangualde, irão realizar a 1ª feira do TT e o 1º Encontro Nacional de Praticantes de TT inseridos na centenária Feira dos Santos que decorrerá no mês de Novembro em Mangualde.
Aliar esta iniciativa à Feira Anual que traz a Mangualde milhares de visitantes é uma forma cabal de promover a modalidade TT bem como a região.

OBJECTIVOS

- Promover a modalidade de Todo-o-Terreno;
- Promover os Clubes de TT do País e difundir as suas actividades, competições e iniciativas;
-Promover um espaço único para divulgação e publicitação de marcas, concessionários ligados à actividade de Todo-o-Terreno.
- Proporcionar um encontro único entre praticantes de Todo-o-Terreno para troca de vivência e partilha de saberes e conhecimentos com o propósito de dinamizar eventos e criar um maior número de praticantes.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

AMANHÃ SERÁ TARDE

Incrível! No momento grave em que a Nação
Dorme (ou finge dormir!) à beira dum vulcão,
Nesta hora tremenda, hora talvez fatal,
Há quem graceje como em pleno carnaval!
E assim vamos alegremente, que loucura!
Cavando a todo o instante a própria sepultura...
No dia d'àmanhã ninguêm pensa, ninguêm!
Os resultados vê-los hão... caminham bem...
Divertem-se com fogo... Olhem que o fogo arde...
E extingui-lo depois (creiam-me) será tarde...
Já não é tempo... As lavaredas da fogueira
Abrasarão connosco a sociedade inteira!
A mim o que me indigna e ruborisa as faces
É ver o exemplo mau partir das altas classes,
Sem se lembrarem (doida e miserável gente!)
Que as vítimas seremos nós... infelizmente!

Guerra Junqueiro

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

REVISÃO CONSTITUCIONAL

A revisão constitucional de Passos Coelho é uma mera adequação do texto constitucional à realidade.
Os co-pagamentos na saúde já existem. Chamam-se seguros de saúde. O sistema nacional de saúde já não é universal. Pelos mais diversos motivos, uma fracção significativa da população vê-se forçada a recorrer a prestadores privados de saúde pagando do seu próprio bolso, directamente ou através de seguros.

A rede de ensino básico e secundário já não responde às necessidades de toda a população, pelo que não faz sentido que a constituição diga que deve responder. Uma fracção significativa da população vê-se forçada a recorrer a escolas privadas. As públicas não respondem às necessidades nos casos em que as necessidades vão para alem da mera frequências de um estabelecimento de ensino. Se o objectivo for, por exemplo aprnder alguma coisa, é difícil encontrar uma escola pública que preste esse serviço. Em breve as universidades também deixarão de fazer aquilo que a constituição espera delas. Ou se financiam de outra forma ou deixam de ser instituições de ensino superior e passam a ser uma espécie de ensino secundário um bocadito mais avançado.

Os despedimento sem justa causa já se fazem há anos. É para isso que servem os contratos a prazo, os recibos verdes, os despedimentos colectivos, o trabalho informal, a externalização de serviços e as falências. Mas o melhor substituto para o despedimento sem justa causa é a não contratação. A não contratação permite ao empresário despedir antes mesmo de contratar.

Por JoaoMiranda do Blasfémias

...













segunda-feira, 30 de agosto de 2010

SER OU NÃO SER


Dantes as freguesias tinham escolas, por serem freguesias.
Mas se hoje a política do governo é encerrar as escolas das freguesias, porque razão se hão-de manter as freguesias onde já não existe nenhuma escola...???

domingo, 1 de agosto de 2010

PORTUGAL ARDE

A floresta propriedade das celuloses não arde! Porquê?

Porque aquelas empresas privadas têm uma politica para a floresta, desde o plantio, com acessos generosos, limpeza adequada, uma equipa privativa de bombeiros e de gestores da floresta, que limpam, vigiam…

O Estado não tem política nenhuma para a floresta, ano após ano, arde tudo, parece que é mais fácil deixar arder do que ter uma política preventiva de limpeza, rasgar acessos, vigiar, limpar. É melhor ou mais barato, deixar arder?

Há tanta gente no desemprego, tanta gente a receber subsídios, tanta gente presa, a troco de um vencimento a juntar ao subsídio não se impediria um prejuízo muito maior dando emprego a tanta gente? Em articulação com os proprietários privados? Bem sei que as celuloses estão num negócio, a floresta é a matéria prima para as suas fábricas, pois então a gestão florestal Estatal é o que tem que fazer, desenvolver um cluster da floresta por forma a que a gestão da floresta seja uma actividade económica e não os fogos de todos os anos!

O Estado não faz nem deixa fazer! Até a cãmara do Porto não tem tempo para limpar a escarpa das Fontaínhas!

Ou se cria um cluster económico da floresta ou os fogos nunca se apagarão!

retirado do AVENTAR

“Mas é preciso avançar com a madeira para carpintaria e outras actividades.”
A carpintaria que usa a nossa madeira de pinho é a das paletes.

E qualquer dia, nem essa.
Um fogo começa, alguém dá o alarme para o 117, esse alguém tem de se identificar, a autoridade manda outra autoridade confirmar e passa-se meia hora nisto. Quando finalmente são accionados os meios de combate, vulgo bombeiros, já a coisa tem uma tal dimensão que lhe permite ser notícia, pelo menos na rádio.

O ideal é que seja também notícia do telejornal.
A coisa vai crescendo e lá pela hora a que está tudo incontrolável, a arder e de que maneira aparece por exemplo este senhor:
O SenhorComandante Nacional de Operacões e Socorro da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Paulo Gil Martins.
Muito bem fardado, cheio de cagança e de emblemas cosidos à farda, obtidos em congressos onde se trata de teorias e almoçaradas. Nem o Príncipe de Gales tem um cargo com um nome tão pomposo!
Fala pomposamente, de boina na cabeça, geralmente dentro de uma coisa com ar condicionado, atribuindo as culpas à chuva que caiu em Fevereiro e Março, que fez crescer muita erva, ao calor, ao tempo, ao terreno, ao vento e coisa e tal, aos donos dos pinhais, mas nunca ao sistema que criaram e mantêm para bem bem da industria das mangueiras, dos capacetes e da parafernália toda com que se equipam e faz dos nossos bravos bombeiros, dos mais bem equipados do mundo.
E também dos mais mal comandados.
retirado de um comentário do AVENTAR

quarta-feira, 7 de julho de 2010

SCUT - Pela Verdade – em defesa da Verdade – contra a prostituição de Verdade


Este e-mail destina-se a todos os empresários, gestores de tráfego de empresas do transporte rodoviário de Mercadorias e Passageiros (individuais, micro, pequenas e médias empresas - seja qual for a dimensão da sua frota) e profissionais do volante.

SCUT Pela Verdade – em defesa da Verdade – contra a prostituição de Verdade

Depois de em 1996 a Revista CAMIÃO ter participado activamente na criação de Estradas/Vias do Estado com uma configuração segura, para combater os brutais índices de sinistralidade, que ditaram o desmembramento de milhares de famílias. Pais que perderam os filhos e filhos que perderam os pais fazem parte de um cenário negro, que continua a custar milhões de euros em indemnizações, assistência, solidariedade, medicamentos e perda de produtividade (directa e de terceiros).
Por que sabemos a verdade entendemos que não devemos silenciar o nosso saber face ao CRIME que constituirá a introdução de portagens nessas infra-estruturas rodoviárias.
Saiba como foi montado um esquema pouco sério para prostituir a verdade e ao mesmo tempo acusar os cidadãos e empresas, que no Norte usam as Estradas/Vias do Estado (Scut), de parasitismo e proxenetismo face aos restantes cidadãos. É o dividir para reinar.

Se tem uma opinião formada sobre as Estradas/Vias do Estado (também apelidadas de SCUT) e quer saber mais sobre a verdade poderá continuar a ler este e-mail e até reenviá-lo a amigos.

Se é dos cidadãos dignos e honrados que querem encontrar uma solução fundamentada, séria e honesta, com propostas credíveis, pode ainda imprimir as imagens que seguem em anexo e colocá-las nos seus veículos profissionais e particulares.

Se defende uma solução para o problema pela via do conflito ou se já sabe tudo e não quer saber mais, não perca tempo, este e-mail foi parar à caixa de correio errada. Ignore-o.

Negociações e negociatas Podem representantes do governo promover reuniões secretas em hotéis, para comprar a palavra de alguns promíscuos e silenciar as reivindicações de quem jurou defender o interesse dos transportadores, mas não calará a revolta de quem vive honradamente do seu trabalho e tem a razão do seu lado.

De uma vez por todas é preciso que fique evidente que a construção da configuração de via rápida, nunca teve por objectivo os padrões de uma auto-estrada, mas tão só recorrer a uma fórmula de circulação que anulasse os graves índices de sinistralidade causados por estradas saturadas e com configuração deficiente e desajustada dos volumes de tráfego, anulando os cruzamentos ao nível, atravessamentos de pessoas, veículos e animais e impedisse a entrada e saída directa para o edificado e arruamentos.

Milagres ou Mezinhas?

Depois de durante semanas termos escutado determinados indivíduos em guerra aberta para ver qual era o que dizia o maior disparate sobre as Scut, com ameaças de paralisações e marchas lentas de camiões, eis que agora aparecem a falar sobre o assunto com um discurso que foi do oito para o 800. É muito estranho!

Será que tomaram a poção mágica, que lhes fez perder a memória? Será que tomaram aquele chá milagroso EuroLembrex que quando servido em pacotes de notas no bolso tem uma terapia nefasta na personalidade?

Para que as mezinhas e oratórias proferidas em nome dos transportadores não sirvam para criar aves canoras (cru-cru) e engordar elefantes de gravata que tocam o sino agudo ou grave, conforme o valor da moeda que lhe dão, sugerimos que não se deixe enganar com falas mansas. Alguém anda a encher a barriga à conta da prostituição da verdade!

Para saber toda a verdade em torno da temática das Scut’s poderá consultar os blogues scut100portagens.blogspot.com e scutsemportagens.wordpress.com, onde iremos colocar documentos, estudos, artigos de opinião e imagens, que contam a verdade e denunciam a mentira que foi fabricada por gabinetes de comunicação para que os contratos das concessões não tivessem o mesmo destino que teve o contrato de prorrogação da concessão do Terminal da Liscont.
Se está interessado e disponível para um encontro entre profissionais que realmente trabalham no sector e querem ajudar a resolver os problemas, poderá enviar um e-mail para revista.camiao@gmail.com e em breve receberá informação sobre iniciativas positivas.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

É VERÃO E COM ELE A PROCISSÃO EM TODAS AS ALDEIAS

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passar a procissão.

Mesmo na frente, marchando a compasso,
De fardas novas, vem o solidó.
Quando o regente lhe acena com o braço,
Logo o trombone faz popó, popó.

Olha os bombeiros, tão bem alinhados!
Que se houver fogo vai tudo num fole.
Trazem ao ombro brilhantes machados,
E os capacetes rebrilham ao sol.

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passar a procissão.

Olha os irmãos da nossa confraria!
Muito solenes nas opas vermelhas!
Ninguém supôs que nesta aldeia havia
Tantos bigodes e tais sobrancelhas!

Ai, que bonitos que vão os anjinhos!
Com que cuidado os vestiram em casa!
Um deles leva a coroa de espinhos,
E o mais pequeno perdeu uma asa!

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passar a procissão.

Pelas janelas, as mães e as filhas,
As colchas ricas, formando troféu.
E os lindos rostos, por trás das mantilhas,
Parecem anjos que vieram do Céu!

Com o calor, o Prior vai aflito.
E o povo ajoelha ao passar o andor.
Não há na aldeia nada mais bonito
Que estes passeios de Nosso Senhor!

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Já passou a procissão.


António Lopes Ribeiro (1908-1995)

terça-feira, 29 de junho de 2010

Tenho andado arredado dos assuntos da freguesia e só hoje tive a opurtonidade de ler este comunicado que aqui publico, mas que transmite a realidade do funcionamento da nossa junta de freguesia. Parabéns á oposição que pela primeira vez nestes ultimos trinta e tal anos de democracia esta a fazer o seu trabalho aqui na nossa Terra.

Comunicado dos Membros Eleitos pelo Partido Socialista à Assembleia de Freguesia de Chãs de Tavares

Após a leitura atenta do comunicado do Sr. Presidente da Junta, do dia 20 de Maio de 2010, temos a informar a População dos seguintes factos:

1- As contas de gerência de 2009 não foram aprovadas pelo facto de os membros eleitos pelo Partido Socialista terem votado contra e os membros eleitos pelo PSD terem optado, de forma responsável, pela abstenção. Esta decisão decorreu da análise dos documentos elaborados e apresentados pelo actual Executivo da Junta de Freguesia.

Ao contrário do que refere o Sr. Presidente, as razões que levaram a este acontecimento foram de vária ordem e estão devidamente registadas em acta de assembleia para quem as quiser consultar. A saber:
a) ordens de pagamento e respectivos pagamentos sem descrição dos serviços efectuados;
b) ordens de pagamento sem facturas associadas;
c) pagamento de juros a entidades bancárias sem qualquer tipo de consulta à Assembleia de Freguesia;
d) falta de alguns documentos de apoio obrigatórios, como o inventário e mapas de operação de tesouraria;
e) ficou provado, com a apresentação de um recibo, que a Junta de Freguesia recebeu verbas que não apareciam inscritas em nenhuma rubrica, na prática a Junta recebeu dinheiro mas não apareceu registado nas entradas de receitas;
f) na rubrica Material Educação e Recreio com uma verba registada de mais de 5000 euros (1000 contos em moeda antiga), justificada na sua maioria com facturas de restaurantes e comida.
Em nenhum momento foi posta em causa a dignidade e honestidade de qualquer funcionário da Junta de Freguesia.

2- A penhora efectuada pelo IFADAP resulta de uma ordem do tribunal, pelo que pressupõe um processo judicial. Questionado sobre este processo o Sr. Presidente da Junta referiu nada saber, mas que se iria informar de imediato sobre os factos.
Nada temos a ver com este facto, ao contrário de outros estamos apenas preocupados com o futuro da Freguesia e com os bens daqueles que efectuaram compras de terrenos à Junta e ainda não procederam ao seu registo, os quais poderão vir a ser leiloados em hasta pública se o IFADAP fizer novo arresto de bens para pagamento da dívida da Freguesia.

3. Porque também, como o Sr. Presidente, acreditamos na dignidade na política eis alguns factos da realidade da nossa Freguesia:
a) na última assembleia de freguesia foi apresentada uma cópia da célebre factura dos porcos no espeto, no valor de 4950 euros, pagos pela Câmara Municipal de Mangualde e consumidos na Freguesia de Chãs de Tavares;
b) os serviços dos CTT estão suspensos por falta de condições para o normal funcionamento do serviço na Junta de Freguesia;
c) a dívida da Freguesia apresentada em Maio de 2009 e após já terem sido efectuados alguns pagamentos pelo actual executivo, é superior a 38 000 euros;
d) no ano de 2009, a Junta de Freguesia passou 4 cheques sem cobertura;
e) o pagamento da comparticipação da estrada Corvaceira – Chãs de Tavares. foi efectuado pela Câmara Municipal, pelo que o que está escrito na Placa referente à execução da obra não corresponde à verdade;
f) foi decidido, em Assembleia de Freguesia, que a Junta teria de rectificar a proposta de Orçamento para 2010, em virtude da mesma estar mal elaborada e não respeitar a lei;
g) durante o mês referente às eleições de 2009 a factura de telemóvel da junta foi de mais de 330 euros;
h) a Junta de Freguesia estava até ao final de Dezembro de 2010 a pagar a comparticipação de um POC para uma funcionária que está ao serviço do Centro do Dia.
Pelo facto de trabalharmos com a verdade e podermos comprovar tudo o que afirmarmos, também nós acreditamos na Justiça.
Chãs de Tavares, 1 de Junho de 2010

Alexandre Constantino

meu querido mês de Agosto

O Ministro das Obras Públicas &cetera anunciou que adia para 1 de Agosto o início da cobrança de portagens nas SCUT (Grande Porto, Norte Litoral e Costa de Prata).

O mesmo dia em que, tradicionalmente e por um mês, se deixa de pagar portagem na "ponte sobre o Tejo". Ou, este ano, não?

Para colocar em causa o " principio do utilizador pagador "

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Portagens NÃO!

“As empresas de transportes serão afectadas directamente, mas esse custo será repercutido para toda a economia em geral e o consumidor final é que irá pagar, com os reflexos na perda de competitividade que teremos, uma vez que a A25 é uma das principais portas de saída para o nosso mercado exportador”, afirmou à agência Lusa Nelson Sousa, da JLS – Transportes Internacionais.

Sediada em Fragosela, Viseu, mesmo ao lado da A25 (Aveiro-Vilar Formoso), a empresa tem cerca de 200 viaturas, maioritariamente de transporte internacional. França é um dos países onde mais circulam, o que custa uma média mensal de 75 mil euros em portagens.
Segundo Nelson Sousa, “as margens no sector dos transportes estão esmagadas”. Apesar da descida do preço do combustível, o sector “continua a trabalhar com margens muito próximas de zero, portanto, qualquer desvio ou conduz ao estrangulamento ou terá de ser passado para o serviço”.

Aludiu a um estudo que aponta que o custo das portagens “chega a representar 20 por cento do valor total do transporte”, o que, na sua opinião, permite “tirar a ilação de quando isso poderá representar no custo final do produto”. Por isso, não hesita em dizer que, mais do que “uma machadada nas empresas, esta seria uma machadada na economia em geral”. “Portugal vai perder muita competitividade, uma vez que os nossos produtos vão ter sérias dificuldades em ser colocados nos trajectos de forma competitiva”, alertou.

Com uma frota menor, de 35 viaturas que circulam praticamente em toda a Europa comunitária, a empresa de transportes de Jorge Lemos gasta bem menos do que a JLS em portagens (cerca de 18 mil euros mensais), mas as preocupações são as mesmas.
“Vamos ter que transmitir para os clientes o custo das portagens. Não vai ser fácil, porque a economia não permite neste momento aumentos do preço de transportes”, considerou Jorge Lemos, dos Transportes Lemos, Lda, com sede em Chãs de Tavares, Mangualde, cujos camiões percorrem diariamente a A25.

Na sua opinião “têm sido dadas várias machadadas” no sector dos transportes, e esta “é mais uma”. “Continuo a achar que o aumento dos combustíveis tem sido desmesurado, não é proporcional ao preço do petróleo, e agora mais as portagens. Penso que é mesmo o golpe fatal para muitas das empresas”, afirmou, admitindo estar com dificuldades económicas na sua. Jorge Lemos prevê muita contestação à introdução de portagens nesta via mas, na eventualidade de essa possibilidade se concretizar, pede ao Governo que “devolva o IP5”.
“Nós tivemos o IP5, que foi utilizado para a construção da A25. Logo que haja a introdução de portagens queremos que nos devolvam o IP5, porque a EN16 não pode ser a alternativa”, frisou.

Fonte: Diario Viseu

quarta-feira, 16 de junho de 2010

PRINCIPIO DO UTILIZADOR PAGADOR

O Tribunal de Contas considera urgente travar a “continuada degradação económica e financeira” das empresas públicas de metro e autocarro de Lisboa e Porto(*)

Que se degradem, é lá com elas.
Mas que todo o país - que não usa nem, as mais das vezes, há-de algum dia usar esses transportes - continue a pagar o seu sustento, os seus gestores e os seus grevistas é que não é suportável nem admissível.

(*) Só para se ter uma dimensão dos números, o saldo total em dívida das quatro operadoras - Carris, STCP - Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, Metropolitano de Lisboa e Metro do Porto - avalizado pelo Estado ascendia, a 31 de Dezembro de 2008, a 4 333 milhões de euros, 63 por cento dos quais (2 724 milhões de euros) eram relativos aos empréstimos contraídos pelo Metropolitano de Lisboa.

Ao longo do período 2003-2008, o Estado atribuiu indemnizações compensatórias no valor de 517,6 milhões de euros, mas estas não foram suficientes para compensar os défices operacionais que as empresas acumularam anualmente e acabaram por motivar a contracção de empréstimos bancários a curto prazo.

Entre 2003 e 2008, as quatro empresas apresentaram resultados líquidos do exercício negativo e estavam, no final do último ano, em falência técnica e com um montante total de dívida de quase 5,8 mil milhões de euros

terça-feira, 1 de junho de 2010

MAIS UMA REALIZAÇÃO " RODAS NO TRILHO CLUB TT"


pensamento do dia

"Quando deres um presente ou um jantar não o dês nem convides a quem te pode retribuir."
Dá-o antes aos pobres que não to podem pagar!
Serás feliz, vais ver!
Que estranho, mas é verdade!
Há presentes que não são ofertas, são anzóis; há beijos e abraços que são comércio e não dom. Fica-se na expectativa, à espera do resultado, a contabilizar o investimento. Ora só a gratuidade dá felicidade, ela é fonte de liberdade e torna-nos semelhantes a Deus.

NÃO HÁ SOLUÇÕES, HÁ CAMINHOS
Vasco P. Magalhães, sj

sexta-feira, 21 de maio de 2010


Pensamento do dia

“É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar a alguém aquilo que não tira de outro alguém. Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a. “

Adrian Rogers, 1931

domingo, 16 de maio de 2010

foi voç~e que votou neste primeiro-ministro?...


EU TAMBÉM NÃO.

EU NÃO ACREDITO EM CAMBÕES, MAS QUE OS HÁ...

Concursos públicos combinados, subornos ou o velho e simples cambão fazem parte de todas as histórias do mundo da construção. Enredos mais ou menos conspirativos são uma constante em todas as grandes obras: como A negociou com B ou C o resultado do concurso, propostas e preços definidos ao cêntimo para que desde o início decidissem quem ganhava a obra pública. A verdade ou mentira destas histórias tem sempre o mesmo final, quem paga é o contribuinte, pois o Estado acaba por adjudicar obras públicas por um preço muito superior ao justo.
A terceira travessia do Tejo é o exemplo típico de como o contribuinte pode acabar por ser enganado sem dar por isso.
Os factos são estes:
Dois consórcios tinham anunciado que iriam concorrer à ponte, um liderado pela Soares da Costa e outro pela Mota-Engil. À última hora apareceu uma proposta-surpresa liderada pela empresa espanhola FCC. Surpresa maior, a proposta é qualquer coisa como 400 milhões mais barata do que a da Mota-Engil (esta última já ligeiramente mais barata do que a da Soares da Costa).
Do consórcio liderado pela Soares da Costa pouco se ouviu falar neste concurso (já tinham ganhado a construção e gestão do troço entre Poceirão e Caia do TGV, num concurso em que a Mota também concorreu e perdeu). Já o consórcio da Mota-Engil lançou um enorme ataque à proposta da FCC, com argumentos que chegaram ao extremo de dizer que se a ponte fosse construída pelos espanhóis iria cair.
O resultado foi óbvio, o júri do concurso no seu relatório inicial atribuiu à proposta da FCC uma pontuação muito superior, tudo levando a crer que estes sairão vencedores.
Agora, a Mota-Engil já coloca em cima da mesa a possibilidade de se construir não a terceira travessia rodo-ferroviária mas apenas a ferroviária, ou voltarmos à hipótese do túnel entre Algés e Trafaria, o que implicaria a anulação deste concurso e a realização de um novo.
Moral da história, se não fosse a proposta-surpresa da FCC, hoje o Governo estaria a adjudicar uma proposta 400 milhões mais cara para a construção da terceira ponte sobre o rio Tejo. E o contribuinte a pagar!
Claro que temos de esperar pelo custo final de construção da ponte, pois sabemos que existem sempre uns previsíveis 'imprevistos' nas obras que levam a derrapagens milionárias.
E sobre o facto de se estar a atribuir obras a empresas espanholas... bem, eu também prefiro as empresas portuguesas, desde que isso não me custe a mim, a si e aos nossos filhos mais 400 milhões de euros.
Texto publicado na edição do Expresso de 10 de Abril de 2010
de João Vieira Pereira

segunda-feira, 26 de abril de 2010

SOLIDARIEDADE EM PORTUGAL

A campanha a favor das vítimas do temporal na Madeira através de
chamadas telefónicas é um insulto à boa-fé da gente generosa e um
assalto à mão-armada.


Pelas televisões a promoção reza assim: Preço da chamada 0,60 € + IVA.
São 0,72 € no total. O que por má-fé não se diz é que o donativo que
deverá chegar (?) ao beneficiário madeirense é de apenas 0,50 €.
Assim oferecemos 0,50 € a quem carece, mas cobram-nos 0,72 € , mais
0,22 € ou seja 30 %. Quem fica com esta diferença?

1º - a PT com 0,10 € (17 %) isto é a diferença dos 60 para os 50.
2º - o Estado 0,12 € (20 %) referente ao IVA sobre 0,60.

Numa campanha de solidariedade, a aplicação de uma margem de lucro
pela PT e da incidência do IVA pelo Estado são o retrato da baixa
moral a que tudo isto chegou.

A RTP anunciou com imensa satisfação que o montante doado já atingiu
os 2.000.000 de euros. Esqueceu-se de dizer que os generosos pagaram
mais 44 % ou seja mais 880.000 euros divididos entre a PT (400.000 €
para a ajuda dos salários dos administradores) e o Estado (480.000 €
para ajuda ao reequilíbrio das contas públicas e aos trafulhas
que por lá andam).
A PT cobra comissão de quase 20 % num acto de solidariedade!!!

O Estado faz incidir IVA sobre um produto da mais pura generosidade!!!

ISTO É UMA TOTAL FALTA DE VERGONHA!!!

ISTO É UM ASQUEROSO ESBULHO À BOLSA E AO ESPÍRITO DE SOLIDARIEDADE

DO POVO PORTUGUÊS!!!

Já agora, vale a pena pensar nas recolhas de alimentos para o Banco
Alimentar Contra a Fome feitas nos hipermercados. É uma bela forma de os supermercados
venderem mais... e nem em cêntimo dão às instituições que lhes aumentaram as vendas...
Tudo é pago, contemplando o lucro dos ditos e, claro está, os impostos ao consumo...

E o notável negócio das empresas da SONAE com o arredondamento para cima das facturas?
É UMA PIPA DE MASSA QUE ENTRA NOS COFRES DA SONAE!!! QUANTO RENDE? QUEM CONTROLA?
E O BELMIRO, DEPOIS (SABE-SE LÁ QUANDO), AINDA FAZ UM NÚMERO MEDIÁTICO A ENTREGAR PARTE
DO QUE OS PORTUGUESES, DE BOA FÉ, ARREDONDARAM... (pagaram impostos e rechearam a tesouraria
das empresas)... E, EIS A CEREJA EM CIMA DO BOLO: AINDA SE DESCONTA NOS IMPOSTOS DAS VÁRIAS

EMPRESAS DA SONAE... POIS CONTABILISTICAMENTE O DINHEIRO GERADO COM OS ARREDONDAMENTOS
DOS CLIENTES É ENTREGUE COMO DONATIVO...
E O POVO PAGA!
MISERAVELMENTE ESTA GENTE (?)ATÉ DA SOLIDARIEDADE FAZ NEGÓCIO!!!
TUDO LHES SERVE PARA ASSEGURAREM OS SEUS MULTIMILIONÁRIOS ORDENADOS E PRÉMIOS!!!

NÃO COLABORE NESTAS CAMPANHAS, CASO NÃO SEJA ESCLARECIDO CABALMENTE QUE OS "DONATIVOS"
ESTÃO ISENTOS DE IMPOSTOS E DE TAXAS OU COMISSÕES, BEM COMO NÃO CONTRIBUEM (SEM RETORNO SOLIDÁRIO) PARA O AUMENTO DOS NEGÓCIOS DOS GANANCIOSOS GESTORES...


NÃO SEJA TÓTÓ!!! E DENUNCIE!


RECEBIDO POR MAILL

terça-feira, 13 de abril de 2010

...


Esta é a 3ª edição do Passeio Todo Terreno por Terras de Tavares, a responsabilidade de organizar este passeio cabe este ano ao Clube “RODAS NO TRILHO” – Clube de Praticantes TT de Mangualde.

O sucesso das anteriores edições assim como o 1º Passeio “Trilhos de Mangualde”, realizado no passado dia 21 de Março, obriga-nos que a qualidade se mantenha. Mais uma vez os sabores da gastronomia das Terras de Tavares irão fazer as delícias dos participantes, assim como “encherão” a vista com paisagens estupendas.
Logo de manhã a seguir do típico “mata bicho”, os participantes sairão para o fora de estrada quando forem 10,30 horas da manhã. Motos e quados percorrerão cerca de 90 quilometros, por troços fitados, enquanto os jipes percorrerão cerca de 40 por road book.
Depois de terem usufruído da paisagem que se avista do alto da serra do Bom Sucesso seguiram em direcção a oeste entre a ribeira e o rio Ludares, até se encontrarem com a típica “piqueta”.
Estômago aconchegado e arranca-se para mais uma etapa, com a subida á Serra de da Poisada e daí usufruírem da magnifica vista que se tem de toda a extensão da encosta norte da Serra de Estrela com Gouveia, Seia; Folgosinho e Linhares no seu sopé.
Apreciada a paisagem desce-se por entre pinhais para terras de Gil Vicente e de lá seguir para o apetitoso almoço típico da região.
Depois das forças retemperadas, será a vez de “galgar” pedras e valas em pistas trialeiras para todos os gostos, já que o publico (que se prevê em grande numero) já á muito tempo que espera “empoleirado” nos penedos, pelos doidos das máquinas diabólicas!

Esperamos por si!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

NUNCA SBSTIME UMA MULHER

Ocorreu um acidente de trânsito, entre dois carros que bateram de frente.
Um deles era conduzido por um homem e o outro por uma mulher.

Ficaram completamente destruidos, mas,surpreendentemente os
ocupantes nada sofreram. Sairam completamente ilesos.

Depois de sairem dos respectivos automóveis, o homem preparava-se para agredir
verbalmente a mulher mas esta rapidamente diz:
- Interessante, você um homem e eu uma mulher,com os carros
totalmente destruidos, mas estamos sem nenhum
arranhão. Isto deve ser um sinal de Deus. Nós realmente precisávamos
de marcar um encontro.
Estava destinado que nos deveriamos conhecer e ficar a viver em
paz, como grandes amigos, até ao fim dos nossos dias.

Concordo! disse o homem. Isto com certeza é um sinal de Deus.

Repare noutro milagre,disse a mulher: O meu carro está completamente
destruído, mas esta garrafa de vinho não se quebrou. Está claro que
o destino quer que a bebamos para celebrar a nossa vida, que foi
salva milagrosamente neste acidente.

Vamos celebrar!

Então a mulher passa a garrafa para o homem. Ele concorda sem
titubear e vira o gargalo na boca, bebe metade da garrafa.
e devolve-a à mulher. Ela volta a colocar a rolha na garrafa, sem
beber nenhum gole.

Sem perceber o que se estava a passar, o homem pergunta:
- Não vai beber a sua metade para comemorar?

A mulher responde:
- Agora não. Vou esperar pela polícia primeiro...

NUNCA SUBESTIME UMA MULHER.........

'Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante do que o
conhecimento'.
(Albert Einstein)

terça-feira, 6 de abril de 2010

PORTUGAL

“É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar a alguém aquilo que não tira de outro alguém. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma Nação."
Adrian Rogers

terça-feira, 30 de março de 2010

FRANGO A ESPIRITO SANTO

video

PAPAS BABADOS

Dedicada especialmente aos Papás babados pelas suas Princesas
Um dia a minha mamã saiu e o meu papá ficou a tomar conta de mim.Eu tinha então perto de 2 anos e meio e estava a convalescer de um pequeno acidente. Nessa altura alguém deu-me um serviço de chá miniatura que se tornou um dos meus brinquedos preferidos.
Certo dia o papá estava na sala assistindo atentamente ao Telejornal,
enquanto eu, brincando com o meu novo serviço, ia-lhe servindo chávenas de
"chá" que, naturalmente, era só água... Depois dele ter bebido - e elogiado
constantemente o meu "chá", a mamã chegou a casa. O papá empatou a mamã na sala para que ela pudesse ver-me a trazer-lhe mais uma chávena de "chá" pois ele estava absolutamente "derretido" comigo. A mamã esperou e viu-me chegar orgulhosa com mais uma chávena de "chá" e assistiu espantada ao ar deliciado com que o papá o bebeu até ao fim...
Mal o meu papá acabou de beber, a mamã (como só uma mãe saberia fazer)
disse-lhe:
"Ouve lá: alguma vez te passou pela cabeça que o único lugar com água a que ela chega cá em casa é a sanita????"

ALUNOS INTELIGENTES


Professor: O que devo fazer para repartir 11 batatas para 7 pessoas?
Aluno: Purê de batata, senhor professor!

Professor:- Joaquim, diga o presente do indicativo do verbo caminhar.
Aluno:- Eu caminho... tu caminhas... ele caminha...
Professor: - Mais depressa!
Aluno :- Nós corremos, vós correis, eles correm!

Professor: "Chovia" que tempo é?
Aluno: É tempo ruim, senhor.

Professor: Quantos corações nós temos?
Aluno: Dois!
Professor: Dois!?
Aluno: Sim, o meu e o seu!

Dois alunos chegam tarde e justificam-se:
- O 1º Aluno diz: Acordei tarde! Sonhei que fui à Polinésia e a viagem demorou muito.
- O 2º Aluno diz: E eu fui esperá-lo no aeroporto!

Professor: Diga o nome de cinco coisas que contenha leite...
Aluno: Um queijo e quatro vacas.

Um aluno de Direito foi fazer exame oral: O que é uma fraude?
Resposta do aluno: É o que o Professor está fazendo.
O professor muito indignado: Ora essa, explique-se...
O aluno responde: Segundo o Código Penal comete fraude todo aquele que se aproveita da ignorância do outro para o prejudicar!

PROFESSORA: Maria, aponte no mapa onde fica a América do Norte.
MARIA: Aqui está.
PROFESSORA: Correto. Agora turma, quem descobriu a América?
TURMA: A Maria.

PROFESSORA: Joãozinho, me diga sinceramente, você ora antes de cada refeição?
Joãozinho: Não professora, não preciso... A minha mãe é uma boa cozinheira.

PROFESSORA: Artur, a sua redação "O Meu Cão" é exatamente igual à do seu irmão. Você copiou?
ARTUR: Não, professora. O cão é que é o mesmo.

PROFESSORA: Bruno, que nome se dá a uma pessoa que continua a falar, mesmo quando os outros não estão interessados?
BRUNO: Professora.



terça-feira, 9 de março de 2010

VERGONHA NACIONAL

Até que ponto chega o descaramento dos políticos deste País ?
Como é que esta sociedade permite isto ?
Será que não sabem ?
Vamos por partes.
Bom, já todos ouvimos falar na Cova da Beira, no Freepor(t), nos sobreiros, nos submarinos, no BPN, nas contas dos primos na Suissa, nas empreitadas que começam em 5 e acabam em 10, nas adjudicações sem concurso publico, nos pagamentos a assessores, nas reformas escandalosas de políticos, autarcas, funcionários do Banco de Portugal, funcionários doutros bancos, funcionários de empresas publicas, nas indemnizações inconcebíveis e inadmissíveis a gestores partidários, na utilização do aparelho de estado para empregar amigos, familiares, correlegionários políticos, etc, etc.
Sobre esta vergonha certamente que já todos temos alguma consciência, pois a divulgação publica a isso obriga.
É certo que parece que ainda não chega para nos aborrecermos muito.
Mas...se agora lhe sugeríssemos para analisar o Diário da República nº 28 - I série- datado de 10 de Fevereiro de 2010 - RESOLUÇÃO da Assembleia da República nº 11/2010.
Poderão aceder através do site WWW.dre.pt
Vamos ler;
Algumas rubricas do orçamento da Assembleia da Republica
1 - Vencimento de Deputados ...........................12 milhões 349 mil Euros
2 - Ajudas de Custo de Deputados........................2 milhões 724 mil Euros
3 - Transportes de Deputados ...........................3 milhões 869 mil Euros
4 - Deslocações e Estadas ..............................2 milhões 363 mil Euros
5 - Assistência Técnica (??) ...........................2 milhões 948 mil Euros
6 - Outros Trabalhos Especializados (??) ...............3 milhões 593 mil Euros
7 - RESTAURANTE,REFEITÓRIO,CAFETARIA..............961 mil Euros
8 - Subvenções aos Grupos Parlamentares.................970 mil Euros
9 - Equipamento de Informática .........................2 milhões 110 mil Euros
10- Outros Investimentos (??) ..........................2 milhões 420 mil Euros
11- Edificios ..........................................2 milhões 686 mil Euros
12- Transfer's (??) Diversos (??)......................13 milhões 506 mil Euros
13- SUBVENÇÃO aos PARTIDOS na A. R. ..................16 milhões 977 mil Euros
14- SUBVENÇÕES CAMPANHAS ELEITORAIS ....73 milhões 798 mil Euros

Em resumo e NO TOTAL a DESPESA ORÇAMENTADA para o ANO de 2010, é :€ 191 405 356 191 405 356,61 (191 Milhões 405 mil 356 Euros e 61 cêntimos) - Ver Folha 372 do acima identificado Diário da República nº 28 - 1ª Série -, de 10 de Fevereiro de 2010.
Vamos lá então ver se isto agora já o começa a incomodar um "bocadinho". Repare:
Cada deputado, em vencimentos e encargos directos e indirectos custa ao País, cerca de 700.000 Euros por ano. Ou seja cerca de 60.000 Euros mês.
É muito ? Não é, tendo em conta o excelente trabalho que produzem.
Aliás, somos nós que permitimos isto !
Então diga-nos. É ou não uma autêntica vergonha Nacional ?
Ficou admirado ou já sabia ?

terça-feira, 2 de março de 2010

quem escreveu os Lusíadas

Numa manhã, a professora pergunta ao aluno:
- Diz-me lá, quem escreveu 'Os Lusíadas'?

O aluno, a gaguejar, responde:
- Não sei, Sra. Professora... mas eu não fui.

E começa a chorar. A professora, furiosa, diz-lhe:
- Pois então, de tarde, quero falar com o teu pai.

Em conversa com o pai, a professora faz-lhe queixa:
- Não percebo o seu filho. Perguntei-lhe quem escreveu 'Os Lusíadas' e
ele respondeu-me que não sabia, que não foi ele...

Diz o pai:
- Bem, ele não costuma ser mentiroso, se diz que não foi ele, é porque
não foi. Já se fosse o irmão...

Irritada com tanta ignorância, a professora resolve ir para casa e, na
passagem pelo posto local da G.N.R., diz-lhe o comandante:
- Parece que o dia não lhe correu muito bem...

- Pois não, imagine que perguntei a um aluno quem escreveu 'Os
Lusíadas' respondeu-me que não sabia, que não foi ele, e começou a
chorar.

O comandante do posto:
- Não se preocupe. Chamamos cá o miúdo, damos-lhe um 'aperto', vai ver
que ele confessa tudo!

Com os cabelos em pé, a professora chega a casa e encontra o marido
sentado no sofá, a ler o jornal. Pergunta-lhe este:
- Então o dia correu bem?

- Ora, deixa-me cá ver. Hoje perguntei a um aluno quem escreveu 'Os
Lusíadas'. Começou a gaguejar, que não sabia, que não tinha sido ele,
e pôs-se a chorar. O pai diz-me que ele não costuma ser mentiroso. O
comandante da G.N.R. quer chamá-lo e obrigá-lo a confessar. Que hei-de
fazer a isto?

O marido, confortando-a:
- Olha, esquece. Janta, dorme e amanhã tudo se resolve. Vais ver que
se calhar foste tu e já não te lembras...!

segunda-feira, 1 de março de 2010

sábado, 27 de fevereiro de 2010

para maiores de seis anos

O primeiro-ministro foi visitar uma escola, acompanhado por uma comitiva que incluía a ministra da Educação, o secretário do estado-em-que-isto-está, repórteres, cameramen, etc., além de muitos assessores.

Depois de apresentar todas as maravilhosas realizações do seu governo, diz às criancinhas estar disponível para responder a algumas perguntas. Uma das crianças levanta a mão e o primeiro-ministro dirige-se-lhe.


– Qual é o seu nome, jovem?
– Sou o Manelinho.
– E qual é a sua pergunta?
– Eu tenho três perguntas:
1. Onde estão os 150 mil empregos prometidos?
2. Quem meteu ao bolso o dinheiro do outlet?
3. O senhor tinha conhecimento e tomou parte nas negociatas e nos escândalos de que todos falam?
O primeiro-ministro mexe-se, tosse, assoa-se, ajeita as mãos e vai tomar a palavra para começar uma das suas "cortinas de fumo" verbais quando a campainha para o recreio toca e ele aproveita para dizer que responderá depois do intervalo.
Após o recreio, o primeiro-ministro volta a dirigir-se aos alunos.
– Porreiro, pá. Onde estávamos? Acho que eu ia responder a algumas perguntas, não é? Quem tem perguntas?
Um outro garoto levanta a mão e o primeiro-ministro aponta para ele.
– Pode perguntar, jovem. Como é o seu nome?
– Sou o Zequinha e tenho cinco perguntas:
1. Onde estão os 150 mil empregos prometidos?
2. Quem meteu ao bolso o dinheiro do outlet?
3. O senhor tinha conhecimento e tomou parte nas negociatas e nos escândalos de que todos falam?
4. Por que é que a campainha do recreio tocou meia hora mais cedo?
5. Onde está o Manelinho?


do Delito de opinião

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

MARCELO R. SOUSA E O GAROTO

O famoso comentador da TV, Marcelo Rebelo de Sousa, seguia a bordo de um avião, de Lisboa para o Porto.

O lugar a seu lado estava ocupado por um garoto de uns 10 anos, natural de Amarante, de óculos, com ar sério e compenetrado.

Assim que o avião descolou, o garoto abriu um livro, mas Marcelo Rebelo de Sousa puxou conversa.

- Ouvi dizer que o voo parece mais curto se conversarmos com o passageiro do lado. Gostarias de conversar comigo?

O garoto fechou calmamente o livro e respondeu:

- Talvez seja interessante. Qual o tema que gostaria de discutir?

- Ah, que tal política? Achas que devemos reeleger Sócrates ou dar uma oportunidade à Manuela?

O garoto suspirou e replicou:

- Poderá ser um bom tema, mas, antes, gostaria de lhe colocar uma questão.

- Então manda! - encorajou o professor Marcelo.

- Os cavalos, as vacas e os cabritos comem a mesma coisa, certo? Pasto, ervas, rações. Concorda?

- Sim. - disse o professor.

- No entanto, os excrementos dos cabritos são umas bolinhas, as vacas largam placas de bosta e, os cavalos, umas bolas bem grandes... Qual é a razão para isto?

Marcelo Rebelo de Sousa pensou por alguns instantes, mas acabou por confessar que não sabia a resposta...

E o garoto concluiu:

- Então como é que o senhor se sente qualificado para discutir quem deve governar Portugal se não entende de "merda" nenhuma?

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O OUTRO POLVO

Visto que hoje é dia de polvo na praça, deixem-me falar de outro tipo desta espécie tentacular: o polvo jornalístico. Promovido pelos pseudo defensores/mártires da liberdade de informação/expressão, este é o polvo que resolveu o problema “Santana Lopes”, que está a resolver o problema “José Sócrates” e que resolverá o próximo problema, seja de que partido for. É que, ao contrário do que muitos pensam, isto não é uma questão de partidos ou carácteres. Este polvo não quer saber disso. Apenas está interessado em instituir uma nova ideia de Estado de Direito assente na seguinte trave mestra: todos devemos ser responsabilizados pelos actos que praticamos, excepto eles próprios. Porque quem os tenta responsabilizar está a promover a institucionalização da censura.
Vejo várias demonstrações de rejúbilo pelos acontecimentos recentes, nomeadamente no espaço político de que me sinto mais próximo. Mas, não tenhamos dúvidas: o que acontece hoje ao 1.º Ministro, já aconteceu, noutra medida, a Santana Lopes e acontecerá ao próximo. Portanto, quando vejo os protagonistas políticos a irem atrás desta euforia, só me resta esperar pelo que lhes vai acontecer também a eles. Com mais capacidade do que qualquer outro, este polvo resolve de forma implacável todos os problemas que vão surgindo. E o principal problema é a governabilidade. Não interessa a ninguém! A governabilidade não dá capas chocantes, não vende jornais, não promove estrelas/mártires da liberdade de informação…
Enfrentar este polvo jornalístico revela-se também uma impossibilidade. Hoje ficámos a saber que, pelos vistos, já nem os Tribunais podem ambicionar executar as suas decisões perante esta rede tentacular.
Resumindo: é este polvo que, em parceria com uma face oculta do meio judicial português, nos passou a dizer o que está ou não provado, quem é culpado/inocente, quem pode ou não governar, o que é o interesse público, enfim, a diferença entre o bem e o mal. Quando assim é, o voto passa a ter uma importância muito relativa…
publicado por Francisco Proença de Carvalho no 31 da armada

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Como chamar a policia (versão brasileira, a portuguesa não é diferente)

Eu tenho o sono muito leve, e numa noite destas notei que havia alguém a andar sorrateiramente no quintal da casa.
Levantei-me silenciosamente e pus-me a ouvir os leves ruídos que vinham lá de fora, até ver uma silhueta a passar pela janela do quarto de banho.
Como a minha casa é muito segura, com grades nas janelas e trancas nas portas, não fiquei muito preocupado, mas era claro que eu não ia deixar um ladrão andar ali, tranquilamente.
Liguei para a polícia, informei-a da situação e do meu endereço. Perguntaram-me se o ladrão estava armado ou se já estava no interior da casa. Esclareci que não e disseram-me que não havia nenhuma viatura perto para ajudar, mas que iriam mandar alguém assim que fosse possível.

Um minuto depois liguei de novo e disse com a voz calma:

-Eu liguei há pouco porque tinha alguém no meu quintal. Já não precisam de ter pressa. Eu já matei o ladrão com um tiro de espingarda, que tenho guardada em casa para estas situações. O tiro fez um estrago tremendo no ladrão!

Passados menos de três minutos, estavam na minha rua cinco carros da polícia, um helicóptero, uma unidade do resgate, uma equipe de TV e o grupo dos direitos humanos, que não perderiam isto por nada neste mundo.

Prenderam o ladrão em flagrante, que ficou a olhar tudo com cara de assombrado.
Talvez ele estivesse a pensar que aquela era a casa do Comandante da Polícia.

No meio do tumulto, um tenente aproximou-se de mim e disse:
-Pensei que tivesse dito que tinha matado o ladrão!
Eu respondi:
- Pensei que tivesse dito que não havia nenhuma viatura disponível.

Publicado por JoaoTilly

TERRAS DA BEIRA



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

ORDEM NA REPUBLICA

Os republicanos começaram animadamente os seus festejos e eu respeito-os por isso, acho natural que cada um festeje livremente aquilo que lhe aprouver. Não partilho do entusiasmo deles mas respeito-os, é o sistema que preferem, que defendem, que querem, que têm, que lhes faça bom proveito. E admiro pessoal, profissional e politicamente inúmeros republicanos, a começar pelo Presidente da Comissão para as comemorações.

Mas confesso sentir alguma curiosidade em saber de que manual de História Técnica foi o Primeiro-Ministro buscar a inspiração para o discurso hoje proferido, no qual equiparava o momento da implantação da República à democracia, prosperidade, modernidade e liberdade. Alguém o enganou ou andou a gozar com ele, pois no caso português isso não tem a menor correspondência com a realidade. De resto, em parte alguma do mundo terá.

Vamos por partes: o regime republicano português teve a sua génese na liberdade e democracia do regime Monárquico, que foram utilizadas para perpetrar um duplo crime de homicídio cobarde e brutal, o que não abona nada em favor dos republicanos. Até porque, de seguida, e uma vez agarradas as rédeas do poder, o regime republicano perseguiu selvaticamente todos aqueles que timidamente se lhe opunham, ceifando quem lhe passasse pela frente, roubando direitos há muito conseguidos, atropelando tudo e todos e formando o regime à sua medida. Em qualquer momento da Monarquia foram os republicanos da 1ª República melhor tratados, de forma mais digna, livre e democrática do que passaram eles a tratar os outros a partir do momento em que lhes foi passado para a mão o bastão. Ou o roubaram. O povo português tem uma expressão elucidativa, sobre este tipo de coisas.

Depois, como finalmente começa a ser público, a 1ª República foi menos moderna, menos próspera, menos democrata e menos livre do que o regime anterior e que pretendia substituir. Mais: foi a bagunça da 1ª República que deu azo ao Estado Novo, período que constituiu, por muito que espante a muitos, uma época mais moderna, mais próspera e, pasme-se, mais democrática e livre do que a 1ª República. Em todos os campos. É espantoso e custa a crer mas é assim mesmo.

Ao Estado Novo seguiram-se dois aninhos brutais de PREC comunista. Nunca como até aí as liberdades foram tão reduzidas, a opressão tão aumentada, a democracia tão atabalhoadamente tratada. Quanto à modernidade e prosperidade desses anos, nem vale a pena falar. Só em meados da década de oitenta se começaram a combater seriamente os vícios desse par de anos, vícios esses que ainda hoje perduram em muitas situações.

Hoje, neste último período da República que vivemos, falar de modernidade, prosperidade, verdadeira democracia e liberdade pode ser considerado uma anedota. Ainda por cima de mau gosto. A modernidade e a prosperidade foram-nos emprestadas, não conquistadas, e é preciso pagá-las quando este deplorável Estado tem as suas contas num estado deplorável. Verdadeira democracia e real liberdade são coisas que fazem tristemente sorrir Fernando Charrua e muitos outros. Até Alegre, um republicano indiscutível.

Claro que temos hoje coisas fabulosas, como os serviços administrativos de certas Universidades a funcionar aos domingos e outras funcionalidades que tais, como licenciamentos rapidíssimos no Ministério do Ambiente, primos por todo o lado, toda a gente tem aprovação nas escolas, mas temos também um Primeiro-Ministro fraco em História, que julga que a República necessariamente se encontra ligada à democracia, prosperidade, modernidade e liberdade (deve estar a pensar na Venezuela, ou na antiga URSS) e que isso é impossível num regime Monárquico (onde todas essas coisas se iniciaram).

Eu aceito que as pessoas sejam republicanas, admito até que anualmente celebrem os cincos de Outubros, esquecendo-se do Tratado de Zamora e dos 700 anos da História de Portugal anteriores à República, percebo ainda que se alegrem e festejem esse regime.
Só não percebo por que razão os republicanos festejam ruidosamente este concreto centenário da República. Estes cem anos merecem-no?
posted by VLX do Mar Salgado

PALAVRAS INTEMPORAIS

Incrível! No momento grave em que a Nação
Dorme (ou finge dormir!) à beira dum vulcão,
Nesta hora tremenda, hora talvez fatal,
Há quem graceje como em pleno carnaval!
E assim vamos alegremente, que loucura!
Cavando a todo o instante a própria sepultura...
No dia d'àmanhã ninguêm pensa, ninguêm!
Os resultados vê-los hão... caminham bem...
Divertem-se com fogo... Olhem que o fogo arde...
E extingui-lo depois (creiam-me) será tarde...
Já não é tempo... As lavaredas da fogueira
Abrasarão connosco a sociedade inteira!
A mim o que me indigna e ruborisa as faces
É ver o exemplo mau partir das altas classes,
Sem se lembrarem (doida e miserável gente!)
Que as vítimas seremos nós... infelizmente!

Guerra Junqueiro, Pátria

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

talvez o melhor email recebido até hoje

Um dia, quando eu era caloiro na escola, vi um miúdo da minha turma a caminhar para casa depois da aula.
O nome dele era Kyle. Parecia que estava a carregar os seus livros todos. Eu pensei: -'
Porque é que leva para casa todos os livros numa sexta-feira ? Ele deve ser mesmo um marrão.

Como já tinha o meu fim-de-semana planeado (festas e um jogo de futebol com meus amigos no sábado a tarde) encolhi os ombros e segui o meu caminho. Conforme ia caminhando, vi um grupo de miúdos a correr na direcção dele. Eles atropelaram-no, arrancando-lhe todos os livros dos braços e empurraram-no, de tal forma que ele caiu no chão. Os seus óculos voaram, e eu vi-os aterrarem na relva a alguns metros e onde ele estava.
Ele ergueu o rosto e eu viu ma terrível tristeza nos seus olhos. O meu coração penalizou-se por ele.
Então, corri até ele enquanto ele gatinhava à procura dos óculos, e pude ver lágrimas nos seus olhos. Enquanto lhe entregava os óculos, eu disse: -
'Aqueles tipos são uns parvos. Eles deviam era arranjar uma vida própria'. Ele olhou para mim e disse:
-Ei, obrigado! Havia um grande sorriso na sua face. Era um daqueles sorrisos que realmente mostram gratidão. Eu ajudei-o a apanhar os livros, e perguntei-lhe onde morava. Por coincidência ele morava perto da minha casa, então eu perguntei como é que nunca o tinha visto antes.
Ele respondeu que antes frequentava uma escola particular.
Conversámos todo o caminho de volta para casa, e carreguei-lhe os livros.
Ele revelou-se um miúdo muito porreiro. Perguntei-lhe se queria jogar futebol no Sábado comigo e com os meus amigos, ele disse que sim. Ficamos juntos todo o fim-de-semana e quanto mais eu conhecia Kyle, mais gostava dele. E os meus amigos pensavam da mesma forma. Chegou a Segunda-Feira, e lá estava o Kyle com aquela quantidade imensa de livros outra vez. Parei-o e disse: -
'Diabos, pá, vais fazer o quê com os livros de novo?
Ele simplesmente riu e entregou-me metade dos livros. Nos quatro anos seguintes Kyle e eu tornámo-nos melhores amigos. Quando nos estávamos a formar começámos a pensar na faculdade. Kyle decidiu ir para Georgetown, e eu ia para a Duke. Eu sabia que seríamos sempre amigos, que a distância nunca seria um problema. Ele seria médico, e eu ia tentar uma bolsa escolar na equipa de futebol. Kyle era o orador oficial da nossa turma. Ele teve que preparar um discurso de formatura. Eu estava super contente por não ser eu a subir ao palanque e discursar.
No dia da Formatura eu vi Kyle. Ele estava óptimo. Ele estava mais encorpado e realmente tinha uma boa aparência, mesmo usando óculos.
Ele saía com mais miúdas do que eu, e todas as raparigas o adoravam! Às vezes eu até ficava com inveja. Hoje era um desses dias. Eu podia ver o quanto ele estava nervoso por causa do discurso. Então dei-lhe uma palmadinha nas costas e disse:
-Ei, rapaz, vais-te sair bem! Ele olhou para mim com aquele olhar (aquele olhar de gratidão) e sorriu.
-Valeu, disse ele. Quando ele subiu ao oratório, limpou a garganta e começou o discurso:
-'A Formatura é uma época para agradecermos aqueles que nos ajudaram durante estes anos duros. Aos pais, aos professores, aos irmãos, talvez até a um treinador. Mas principalmente aos amigos. Eu estou aqui para lhes dizer ser um amigo para alguém é o melhor que se pode dar. Eu vou-lhes contar uma história.
Eu olhei para o meu amigo sem conseguir acreditar enquanto ele contava a história sobre o primeiro dia em que nos conhecemos. Ele tinha planeado suicidar-se naquele fim-de-semana. Contou a todos como tinha esvaziado o seu armário na escola, para que a mãe não tivesse que fazer isso depois de ele morrer, e estava a levar as suas coisas todas para casa. Ele olhou directamente no meus olhos e deu-me um pequeno sorriso.
-'Felizmente eu fui salvo. O meu amigo salvou-me de fazer algo inominável'. Eu observava, com um nó na garganta, todos na plateia, enquanto aquele rapaz popular e bonito contava a todos sobre aquele seu momento de fraqueza. E vi a mãe e o pai dele a olharem para mim e a sorrir com aquela mesma gratidão.
Até aquele momento eu nunca me tinha apercebido da profundidade do sorriso que ele dirigiu naquele dia. Nunca subestimes o poder das tuas acções. Com um pequeno gesto podes mudar a vida de uma pessoa. Para melhor ou para pior. Deus coloca-nos a todos nas vidas uns dos outros para que tenhamos um impacto um sobre o outro de alguma forma. Procura o bem nos outros.
Amigos são anjos que nos deixam de pé quando as nossas asas têm problemas e não se lembram de como voar.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

PENSAR " NORUEGA "

'Na Noruega, o horário de trabalho começa cedo (às 8 horas) e acaba cedo (às 15.30). As mães e os pais noruegueses têm uma parte significativa dos seus dias para serem pais, para proporcionar aos filhos algo mais do que um serão de televisão ou videojogos. Têm um ano de licença de maternidade e nunca ouviram falar de despedimentos por gravidez.'

'A riqueza que produzem nos seus trabalhos garante-lhes o maior nível salarial da Europa. Que é também, desculpem-me os menos sensíveis ao argumento, o mais igualitário. Todos descontam um IRS limpo e transparente que não é depois desbaratado em rotundas e estatuária kitsh, nem em auto-estradas (só têm 200 quilómetros dessas «alavancas de progresso»), nem em Expos e Euros.'

'É tempo de os empresários portugueses constatarem que, na Noruega, a fuga ao fisco não é uma «vantagem competitiva». Ali, o cruzamento de dados «devassa» as contas bancárias, as apólices de seguros, as propriedades móveis e imóveis e as «ofertas» de património a familiares que, em Portugal, país de gentes inventivas, garantem anonimato aos crimes e «confundem» os poucos olhos que se dedicam ao combate à fraude económica.'

'Mais do que os costumeiros «bons negócios», deviam os empresários portugueses pôr os olhos naquilo que a Noruega tem para nos ensinar. E, já agora, os políticos.
Numa crónica inspirada, o correspondente da TSF naquele país, afiança que os ministros não se medem pelas gravatas, nem pela alta cilindrada das suas frotas. Pelo contrário, andam de metro, e não se ofendem quando os tratam por tu. Aqui, cada ministério faz uso de dezenas de carros topo de gama, com vidros fumados para não dar lastro às ideias de transparência dos cidadãos. Os ministros portugueses fazem-se preceder de batedores motorizados, poluem o ambiente, dão maus exemplos e gastam a rodos o dinheiro que escasseia para assuntos verdadeiramente importantes.'

'Mais: os noruegueses sabem que não se «projecta o nome do país» com despesismos faraónicos, basta ser-se sensato e fazer da gestão das contas públicas um exercício de ética e responsabilidade. Arafat e Rabin assinaram um tratado de paz em Oslo. E, que se saiba, não foi preciso desbaratarem milhões de contos para que o nome da capital norueguesa corresse mundo por uma boa causa.'

'Até os clubes de futebol noruegueses, que pedem meças aos seus congéneres lusos em competições internacionais, nunca precisaram de pagar aos seus jogadores 400 salários mínimos por mês para que estes joguem à bola.
Nas gélidas terras dos vikings conheci empresários portugueses que ali montaram negócios florescentes. Um deles, isolado numa ilha acima do círculo polar Árctico, deixava elogios rasgados à «social-democracia nórdica». Ao tempo para viver e à segurança social.'
'Ali, naquele país, também há patos-bravos. Mas para os vermos precisamos de apontar binóculos para o céu. Não andam de jipe e óculos escuros. Não clamam por messias nem por prebendas. Não se queixam do «excessivo peso do Estado», para depois exigirem isenções e subsídios.'

É tempo de aprendermos que os bárbaros somos nós.

Seria meio caminho andado para nos civilizarmos.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Comunicado dos Membros Eleitos pelo Partido Socialista à Assembleia de Freguesia de Chãs de Tavares

Realizou-se no passado dia 26 de Dezembro a reunião de Assembleia de Freguesia de Chãs de Tavares.
Antes do período da ordem do dia, na qualidade de membros eleitos pelo Partido Socialista, pedimos a palavra para referir que iria ser feita uma oposição responsável e com uma conduta exemplar, sem inventar calúnias ou lançar suspeitas, sem destratar ninguém, tal como sucedeu durante a campanha eleitoral, mas com intenção de trabalhar no sentido de esclarecer factos e lutar pelos interesses da população.
Afirmámos que tudo o que tinha sido referido e escrito, correspondia à verdade e está descrito nos documentos da Junta, assim sendo, estamos de consciência tranquila e dispostos a responder pelas nossas afirmações.
- Referimo-nos ao valor que o executivo geriu no último mandato cerca de 500 Mil euros, 100 mil contos;
-O valor elevado da despesa corrente da Junta, cerca de 5000 mil euros por mês, o que na prática significa que a Junta só para funcionar teve um gasto de cerca de mil contos mensais.
Manifestámos o nosso empenho em ajudar a melhorar as condições de vida da população da Freguesia e por esse facto temos enveredado esforços junto do Município para que seja possível colmatar algumas graves necessidades que nos afectam, entre os quais a água, que no passado foi palco de grandes investimentos, sem serem devidamente pensados e estruturados não obtendo resultados, a não ser um enorme encargo financeiro.
O Sr. Presidente da Junta, ao ser questionado sobre os custos das Obras realizadas, à pressa durante a época da Campanha Eleitoral, afirmou que não era o momento e que não iria referir-se a este assunto.
Voltámos a questioná-lo sobre o valor da dívida da Junta de Freguesia: aos empreiteiros e fornecedores, salários, subsídios prometidos a Associações e Comissões Fabriqueiras.
A resposta voltou a ser evasiva, referindo que estava a tratar desse levantamento com os membros do Executivo da Junta de Freguesia.
Referimos ainda o facto de a Junta ter passado alguns cheques que ficaram a descoberto, que não tinham cobertura. Começou por afirmar e justificar que tinha sido um, voltámos a insistir e acabou por justificar outros.
Por último, questionado sobre o facto de ter dado entrada uma factura referente a “porcos no espeto” consumidos na nossa freguesia, afirmou categoricamente que tal era mentira.
No Ponto Dois, da ordem de trabalhos - Aprovação das opções do plano da proposta de orçamento para o ano 2010, analisámos e salientámos o facto de o mesmo ser uma cópia ano após ano.
A título de exemplo, eis algumas das situações de obras a executar e que foram reproduzidas ao longo dos anos:
Chãs Tavares:
Acesso a caminhos – 08/09/10 – Quais?
Levantamento de Borralheiras - 08/09/10 – Quais?
Apoio extensão de saúde - 08/09/10- Que apoio é esse?
Parque infantil -09/10.
Guimarães:
Levantamento de Borralheiras - 08/09/10
Arranjo de caminhos - Quais? Quais são os critérios para a sua realização?
Parque infantil – deixou de estar inscrito mas nunca foi realizado.
Santo Amaro:
Apesar de não terem feito o reforço das águas deixou de estar inscrito no plano de actividades.
Matados:
Cobertura lavadouro público - 08/09/10
Tragos:
Calcetamento de algumas ruas – Quais?
Colaboração no alargamento do coreto - Como ?
Corvaceira:
Parque infantil - 09/10
Calcetamento de algumas ruas - Quais?
Vila seca:
Arranjo junto ao tanque - 08/09/10
Quintas Maria Neta:
Arranjo acesso passagem inferior A25 – 08/09.
Em 2005 a receita foi de 117. 057 euros, cerca de 23 mil contos, a despesa corrente foi de 79.000 euros , 6600 euros mensais sem fazer qualquer investimento.
Em 2007, 177 894 euros, cerca de 36 mil contos, a despesa corrente foi de 80. 888 euros, 6700 euros mensais sem fazer nada.
Em 2008 o orçamento era de 148 .000 euros, as despesas correntes eram de 61.512 euros, 5126 euros por mês sem investimentos.
Tendo em conta estes dados, a despesa mensal foi sempre superior 5000 euros mês, se multiplicarmos este valor pelos 12 meses do ano o valor é de 60 000 euros, ou seja 12 mil contos, com uma previsão de 87 000 euros, sobram 27 000 euros, cerca de 5 400 contos, para investimentos e com este valor não é possível realizar nem um terço das actividades previstas pela Junta de Freguesia.
Em relação ao orçamento
Um orçamento de forma muito simplista baseia-se em dois aspectos: a discriminação das receitas e das despesas.
Analisámos propostas de orçamento de muitas outras Juntas de Freguesia do País e nenhuma omitia as despesas. Por uma razão muito simples é obrigatório, é de lei que o orçamento tenha inscrito a previsão das despesas, até podíamos entender que os restantes membros da Junta de Freguesia por inexperiência não conseguissem elaborar o orçamento, mas o Presidente é o mesmo, o mesmo que usou como slogan de campanha um presidente presente e competente, não sendo este capaz de apresentar um orçamento.
Perante estes factos, votámos contra a proposta apresentada, mas apresentámos uma proposta credível feita com rigor e com base nos dados da execução orçamental dos anos anteriores com previsões de receitas e de despesas.

domingo, 3 de janeiro de 2010

IMPERDIVEL ESTA ENTREVISTA

EM 2010*

Em 2010 os políticos, todos, vão repisar promessas que nunca tencionaram cumprir.
Em 2010 vai aumentar o desemprego embora Sócrates e seus cúmplices jurem que não.
Em 2010 duplicará a nossa dependência de um Estado cada vez mais inchado.
Em 2010 subirão os impostos com o pretexto da crise que passou e da que está para vir.
Em 2010 o País ficará mais endividado.
Em 2010 vamos ser superados por outra mão-cheia de países do ex-Leste europeu.
Em 2010 a podridão dos homens públicos já não abalará quase ninguém.
Em 2010, falar-se de corrupção passará a ser uma grave falha de etiqueta.
Em 2010 a liberdade de expressão ocorrerá só às vezes.
Em 2010 nenhum dos crónicos problemas que este regime retém será resolvido.
Em 2010 ficaremos ainda mais iguais ao que éramos em 1910.

* Ontem, Correio da Manhã